Universíade 2015 - O Brasil e o Minas

Brasil fez boa participação na Coréia do Sul [Luiz Pires/Fotojump]
O Brasil fez uma ótima campanha pela Universíade 2015. Disputada em Gwangju, Coréia do Sul, a competição reuniu 23 seleções de cinco continentes. A quarta colocação na classificação geral é a melhor posição alcançada pela seleção brasileira desde 1997, quando obteve o bronze.

A trajetória brasileira começou em Rio Claro (SP), quando o técnico Gustavo de Conti (Paulistano) realizou os primeiros treinamentos. Dali embarcaria o grupo que viajou para a Coréia, composto pelos armadores Coelho (Minas) e Gegê (Flamengo), os alas-armadores Deryk (Limeira) e Humberto (Flamengo), os alas Deodato (Bauru), Daniel Bordignon (Caja Laboral) e Lucas Dias (Pinheiros), os alas-pivôs Léo Demétrio (Minas), Antônio (Franca) e Gemerson (Paulistano), e os pivôs Gerson (Mogi) e Arthurzão (Paulistano).

Ao todo o Brasil disputou oito partidas, sendo cinco pela fase classificatória e três na fase eliminatória. Com cinco triunfos e três derrotas, os brasileiros só perderam para equipes medalhistas. Para os EUA (ouro) o revés veio em partida pelo grupo D, para a Alemanha (prata) na semi-final e para a Rússia (bronze) na disputa da terceira colocação.

Coelho [Thiago Parmalat/Fotojump]
Na primeira fase as vitórias sobre Chile e Suíça foram tranquilas, enquanto as decisivas partidas contra Turquia e Sérvia foram de muita emoção. A vitória sobre a França, nas quartas-de-final, recolocou os brasileiros entre as quatro principais equipes da competição.

Fase classificatória:

Brasil 78 x 33 Chile
Brasil 72 x 81 EUA
Brasil 100 x 57 Suíça
Brasil 61 x 59 Turquia
Brasil 70 x 65 Sérvia

Finais:

Brasil 60 x 53 França
Brasil 49 x 59 Alemanha
Brasil 72 x 80 Rússia

[* clique nos jogos para ver as matérias da Ultras]

Os minastenistas em ação

Mesmo contando com outros três jogadores que faziam a função de armador no elenco, Henrique Coelho conquistou um posto de protagonismo na seleção. Mantendo o alto nível que o levou a ser all-star do NBB no último Jogo das Estrelas e titular absoluto do Minas, Coelho foi cestinha da seleção em dois jogos - incluindo na heroica virada sobre a Sérvia, que classificou o Brasil para as quartas.

Em números absolutos ele atuou em 8 partidas, jogando 169 minutos, e marcando 88 pontos, 26 rebotes, 15 assistências e 7 roubos. Isso lhe rendeu as médias de 11 pontos, 3,25 rebotes, 1,87 assistências e 0,87 roubos de bola, atuando em 21'13" por jogo.

A melhor performance individual de Coelho foi contra a Rússia, na disputa do terceiro lugar, quando o atleta marcou 26 pontos, 8 rebotes, 2 roubos e 1 assistência em 26 minutos em quadra.

Demétrio [Luiz Pires/Fotojump]
Mesmo contando com menos espaço, Léo Demétrio não ficou atrás e também mostrou qualidade. O treinador De Conti optou por dar mais tempo de quadra para Gemerson, que é seu atleta no Paulistano. Mas Demétrio, que vem em uma crescente e foi titular minastenista em boa parte do NBB, aproveitou muito bem os minutos que teve.

Em números totais, o ala-pivô atuou em 8 partidas, jogou 68 minutos, marcou 29 pontos, pegou 14 rebotes, distribuiu uma assistência e roubou uma bola. Com isso, suas médias foram de 3,6 pontos, 1,75 rebotes, 0,12 assistências e 0,12 roubos em 8'30" por jogo.

O melhor jogo de Demétrio foi realizado na estreia, frente a seleção chilena. Na ocasião, atuando por exatos 10 minutos, o atleta marcou 10 pontos (5/6 em arremessos) e pegou 5 rebotes.

A Ultras acompanhou toda a participação brasileira e dos atletas minastenistas na Universíade 2015 e parabeniza a todas pela bela campanha.

Juntos pelo basquete!

Go Brasil!

Comentários